Prevenção de lesões

As atividades desportivas são realizadas por muitos de nós, onde envolve pessoas de todas as faixas etárias. E dentro de cada objetivo e interesse individual podemos incluir os profissionais de elite e os participantes casuais.

Globalmente, dentro da atividade desportiva observam-se muitas lesões que são regularmente o resultado de um uso incorreto e/ou excessivo dessa mesma atividade, ou seja, realizam-se exercícios muito intensos e com muita frequência.

Por exemplo, no cotovelo de tenista, no cotovelo do golfista, ou mesmo quando não é realizado um aquecimento adequado ou uma diminuição da intensidade desportiva de forma gradual e controlada após o exercício.

 

Desporto vs equipamento

Por vezes, quando se usa um equipamento de forma incorreta podem registar-se lesões, como é o caso do calçado mal ajustado, podendo ocorrer lesões na anca, joelhos e pés (ex: lesões no tendão de aquiles).

 

Mobilidade vs lesão no desporto

Ao reduzir-se a flexibilidade e a mobilidade das articulações irá afetar-se o grau de desempenho das mesmas, podendo resultar em lesões se o atleta não perceber este fenómeno. É o caso do golf e o surf, que não podendo realizar uma rotação perfeita da bacia e coluna vertebral podem tornar-se atletas medianos quando ao serem acompanhados por um osteopata podem chegar a ser atletas de elite.

No caso de um jogador de futebol (ex: acima dos 30 anos), em que se verifica dificuldade na flexão dos joelhos, poderá de forma rápida observar-se uma lesão ao nível dos meniscos e alterações degenerativas e/ou cartilaginosas (usualmente), no compartimento interno do joelho.

 

Desporto juvenil

Os jovens são especialmente vulneráveis ​​no desporto pois estão em crescimento e muitas vezes são esperados altos padrões de rendimento, ocorrendo ritmos físicos excepcionais. A boa notícia é que, apesar das lesões desportivas serem comuns, aqueles que estão aptos e que são acompanhados por um osteopata, tendem a recuperar mais rapidamente.

 

Como pode ajudar a osteopatia?

Um osteopata pode ajudar a melhorar o desempenho do atleta, tratar as lesões e prevenir que voltem a ocorrer.

Usando o seu conhecimento ao nível do diagnóstico e elevadas capacidades ao nível das técnicas palpatórias, os osteopatas podem ajudar a restaurar o equilíbrio estrutural, melhorar a mobilidade articular e reduzir as restrições dos tecidos moles (ex: tecido muscular), para que facilmente se possa restaurar o movimento e o desempenho do atleta.

 

Desporto de manutenção

Para aqueles que desejam manter a forma física e que não sejam propriamente atletas de elite, o osteopata pode intervir da mesma forma, no sentido em que pode promover a flexibilidade e melhorar o tónus ​​muscular, reduzindo assim o risco de lesão dos tecidos moles e articulações que não estão habituados/as a um trabalho extra que podem realizar.

O osteopata também pode oferecer aconselhamento sobre dieta e exercícios específicos de equilíbrio estático e dinâmico.

 

Nunca se esqueça:

  • Comece devagar e evolua de forma consistente, especialmente depois de uma lesão;
  • Faça exercícios de aquecimento antes do exercício e depois termine com alongamentos leves até “arrefecer”;
  • Beba muita água antes e durante o exercício;
  • Faça exercício regularmente, e tente com regularidade diversificar os exercícios;
  • Na sequência de uma lesão simples, é comum aplicar-se gelo na área durante 10 minutos, a cada hora, se possível. Pode ser necessário aplicar uma “banda elástica” para comprimir os tecidos. Por vezes é importante elevar o membro afetado e descansar.

No entanto, aconselhamos sempre uma avaliação prévia por um profissional de saúde qualificado de forma a perceber a melhor abordagem a implementar aquando de uma lesão.

 

Profissionalismo e segurança

Para se qualificar, um osteopata deve ter uma formação superior para poder usar o título.

Já em 2016, todos os osteopatas em Portugal terão uma carteira profissional que determina a sua qualificação, permitindo que possam exercer uma prática clínica livre e acente na sua segurança e dos pacientes.

Para complementar, existem alguns osteopatas em Portugal (sendo até à data unicamente 11 osteopatas), que estão registados na Ordem dos Osteopatas do Reino Unido (GOsC), como é o caso do Osteopata Tiago Sequeira Correia. Sendo neste cenário mais uma garantia de elevados padrões de profissionalismo, qualidade e segurança.